Balança registra superávit de US$ 212 milhões na primeira semana do mês

06/02/2017

Houve aumento nas exportações de minério de cobre, carnes suína e de frango e petróleo

7077059fa504ade3b91e55b4fc02a6b1
Foto divulgação

A balança comercial da primeira semana de fevereiro registrou superávit de US$ 212 milhões, resultado de exportações de US$ 2,264 bilhões e importações de US$ 2,052 bilhões. Os dados foram divulgados, nesta segunda-feira (6), pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

 

A média diária das exportações da primeira semana do mês (US$ 754,5 milhões) cresceu 7,4% em relação ao mesmo período de 2016, quando registrou-se uma taxa de US$ 702,3 milhões.

 

Houve aumento de 10% nas vendas externas de produtos básicos (de US$ 275,9 milhões para US$ 303,4 milhões), em decorrência das exportações de minério de cobre, carnes suína e de frango, petróleo em bruto e minério de ferro); 8,9% de manufaturados (de US$ 291,6 milhões para US$ 317,6 milhões), por conta de óleos combustíveis, óxidos e hidróxidos de alumínio e veículos de carga); e 1,3% de semimanufaturados (de US$ 120,2 milhões para US$ 121,7 milhões), devido às vendas de ferro fundido, semimanufaturados de ferro/aço, ouro em formas semimanufaturadas e ferro-ligas.

 

Já a média diária das importações na primeira semana de fevereiro de 2017 ficou 26,2% acima da taxa registrada em fevereiro de 2016 (de US$ 542,2 milhões para US$ 684 milhões). Aumentaram os gastos, principalmente, com combustíveis e lubrificantes (+137,5%), cereais e produtos da indústria de moagem (+32%), equipamentos eletroeletrônicos (+22,6%), veículos automóveis e partes (+21,4%), plásticos e obras (+20,4%) e siderúrgicos (+19,9%).

 

Na comparação com janeiro deste ano, a média diária das exportações cresceu 11,3%, em virtude do aumento nas vendas de produtos manufaturados (+36,4%, de US$ 232,9 milhões para US$ 317,6 milhões) e de semimanufaturados (+3,1%, de US$ 118,1 milhões para US$ 121,7 milhões). As vendas de produtos básicos registraram queda de 1,6% (de US$ 308,5 milhões para US$ 303,4 milhões).

 

A média diária das importações neste comparativo cresceu 23,5%. Houve aumento nos gastos com combustíveis e lubrificantes (+186,6%), químicos orgânicos e inorgânicos (+28,0%), plásticos e obras (+21,3%) e veículos automóveis (+17,2%), instrumentos de ótica e precisão (+12,8%).

 

Fonte: Portal Brasil, com informações do MDIC

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative CommonsCC BY ND 3.0 Brasil