Grampo telefônico Lula e Dilma rodou o Brasil.

18/03/2016

Parece que o poder subiu à cabeça dos governantes, as autoridades divididas de medíocre e os cidadãos anestesiados.

Dilma Lula
Foto Ilustração 

Olheinfo – A verdade é que o grampo rodou o Brasil pela web e WhatsApp, e o lamentável é que as conversas não pareciam estar no padrão da alta estirpe. Estavam mais parecidos com coisas de canalhas!

 

O país flagrou uma trama, o ex-presidente falando claramente de uma suprema corte, parlamento “totalmente acovardado”; chamou em afirmação que os presidentes da Câmara e Senado estão “fudidos”.

 

Falar negócio da Rosa Weber? Nota-se que o pedido não é um qualquer, por que “fazer o que homem que tem saco não faz” e “uma mulher corajosa possa fazer” é notório tratar de um pedido no mínimo fraudulento.  

 

O ex-presidente ainda fala com Eduardo que “outros prefeitos que eu converso tão tudo “fudido””. Nota-se claramente que Lula é um articulador ativo e tem relação com as prefeituras. Como o brasileiro entende essa relação? De consultoria grátis?

 

Falar com parentes e afirmar que já foram embora de casa, é o mesmo que uma fuga em massa. Falar que está assustado com a República de Curitiba, ou para ser mais claro com a atitude de Moro; que para Lula é um espetáculo de pirotecnia.

 

Por fim, declara que está acertando sua campanha e pede favores em tom de ordem para Wagner e Dilma. Favor esse a Rosa Maria Weber, uma magistrada brasileira, atual ministra do Supremo Tribunal Federal e ex-ministra do Tribunal Superior do Trabalho.

 

Lula, ex-presidente da Republica está comandando o Brasil com articulações corruptas e a base de favores ilegais. Não há como a Presidência da Republica, Câmara e Senado continuarem como estão – nas mãos de devedores da justiça.

 

O PT tentou combater a ação espontânea dos cidadãos, utilizando militantes cibernéticos para fazer twitaços na segunda-feira (14/03/16), onde esbanjaram termos de calão para se referir aos brasileiros que protestaram no dia 19 (domingo). Os políticos e celebridades que foram para as ruas pedir o impeachment de Dilma também foram alvo no twiter.

 

Os militantes riam do fato de Delcídio ter citado Aécio em sua delação. Acontece que, foi no dia seguinte que o mundo vermelho do partido dos trabalhadores começou a ficar mais obscuro e desesperador do que nunca: a delação foi aceita pelo STF, sendo que esta também delata Lula e Dilma. Além disso, a juíza responsável por decidir o pedido de prisão preventiva de Lula entregou tão decisão nas mãos de Sérgio Moro, julgando que é o juiz federal quem deve decidir o futuro do ex-presidente da República.

 

Então Dilma decide anunciar Lula como ministro na quarta-feira para 'acabar com a alegria da população insatisfeita com o seu governo', bem como a oposição. Entretanto, esse foi um 'tiro no pé', pois além da indignação da população, Sérgio Moro divulgou uma gravação telefônica em que Dilma quebra um protocolo e assina o termo de posse de Lula antes da posse, sendo que a regra é que isso seja assinado no ato da posse de ministro. O ato teria sido uma forma de evitar que Lula fosse preso.

 

Com isso, milhares de pessoas deixaram suas casas e mudaram o trajeto de volta do trabalho para tomar as ruas e pedir a saída de Dilma. O clima ficou tão tenso que até o PRB, que fez parte da base de governo de Dilma, abandonou oficialmente seu apoio ao governo poucas horas após a divulgação da gravação telefônica entre a presidente e Lula.

 

Em nota oficial Dilma explicou que só assinou o termo para o caso de Lula não poder comparecer na posse e se mostrou indignada com o grampo telefônico feito pela Polícia Federal, prometendo processar Sérgio Moro pelo ocorrido.

 

Para piorar a situação da presidente, nomear um homem investigado pela Lava Jato e que possui um pedido de prisão preventiva em andamento? Depois dessa, Dilma praticamente pede seu impeachment e motiva mais parlamentares a pedir sua saída do cargo de presidente.

 

Um cidadão com pedido de prisão preventiva decretado, ser chamado para ministro e assumir o cargo? Parece que o poder subiu à cabeça dos governantes, as autoridades divididas de medíocre e os cidadãos estão anestesiados.

 

Por Paulo Eduardo Dubiel, com Us.blastingnews.com