Disputa no Ártico por reivindicações territoriais

07/09/2015

EUA vai acelerar substituição de quebra-gelos devido à disputa no Ártico

normal 15artico
Foto divulgação 


Por Olheinfo – A Casa Branca anunciou nesta terça-feira (1º) que vai acelerar a construção de novos navios quebra-gelos, vitais para firmar as ambições americanas da disputada região do Ártico.

 

A Rússia reivindicou a soberania de grande parte do território no Ártico e possui 40 navios capazes de atravessar o gelo ao longo do ano inteiro, o que não deixa bem preparada a antiga frota de três antigos quebra-gelos americanos.

 

“Estes grandes quebra-gelos não asseguram que possamos cumprir com nossos interesses nacionais, proteger e administrar nossos recursos naturais”, informou a Casa Branca.

 

O anúncio sobre a renovação da frota coincide com a visita do presidente Barack Obama ao Alasca, um terço do qual está localizado ao norte do Círculo Polar Ártico.

 

O rápido derretimento do gelo polar provocou um aumento da atividade na inóspita região, com vários países colocando os olhos sobre suas reservas de petróleo, depósitos de gás e minerais ou em rotas de navegação como a Passagem do Noroeste.

 

Mas a zona é alvo de várias reivindicações territoriais de parte do Canadá, Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega, Rússia, Suécia e Estados Unidos.

 

Inclusive países sem território no Ártico como a China, que também tem seu próprio quebra-gelo, estudam a viabilidade de utilizar rotas marítimas nesta região, algo inimaginável há poucos anos.

 

“O aumento da atividade humana na região do Ártico demandará uma administração comprometida para manter abertas as rotas necessárias para o comércio global e a pesquisa científica, permitir atividades de busca e resgate e zelar pela paz e a estabilidade regionais”, afirmou a Casa Branca.

 

“Alcançar estes desafios requer que os Estados Unidos desenvolvam e mantenham sua capacidade de acesso o ano todo nas regiões polares”, completou.

 

Membros da Convenção do Ártico, os legisladores Angus King e Lisa Murkowski, consideraram a decisão como um passo modesto na direção correta, enfatizando que deve ser acompanhado de recursos.

 

“O que fez o presidente foi mais um reconhecimento de que estas questões devem ser abordadas em um plano”, declarou Murkowski em um comunicado.

 

Os legisladores destacaram a necessidade de desenvolver infraestrutura e melhorar a cartografia da região, além da capacidade dos quebra-gelos.

 

Completaram que a conta será alta, já que se estima que cada novo quebra-gelo custará cerca de 1 bilhão de dólares.

 

A Guarda Costeira informou que necessita de três quebra-gelos pesados e três médios, só para cumprir sua missão básica.

 

Fonte: Ambiente Brasil, com UOL