Qualidade de ensino para GDF é sinônimo de tablets
 22/05/2013

Com a justificativa de melhorar a qualidade do ensino no DF o governo distribuiu tablets para professores e estenderá a distribuição aos alunos

 

Para o secretário de Educação, Denilson Bento da Costa, o novo recurso tecnológico vai impactar na qualidade do ensino. Ele fala da importância da tecnologia como ferramenta para desburocratizar o trabalho em sala de aula. Na entrega dos equipamentos aos professores o governador anunciou "Nossa meta é entregar (tablets) a todos os 5 mil professores do Ensino Médio e, em outra etapa (entregar) aos alunos também, até informatizar todas as escolas", anunciou o governador Agnelo Queiroz durante entrega do material.

 

O secretário de Educação ressaltou: "sabemos o quanto é importante essa tecnologia para desburocratizar o trabalho em sala de aula, os tablets são mais uma ferramenta disponibilizada para melhorar o ensino".

 

O professor de inglês do Centro de Ensino Médio 04 de Ceilândia, Sandro Costa enfatizou: "nossos alunos estão conectados, às vezes à frente da gente, nesse universo; é importante trazer essa tecnologia que eles tanto dominam para a sala de aula".

 

Atualmente, a rede pública do DF conta com 86 escolas de Ensino Médio, onde estudam 83 mil crianças. Grande percentual dessas crianças vive em condições precárias até mesmo de saneamento básico em casa  e mal tem uma biblioteca, segurança e condições decentes de estudo nas escolas. Será que um tablet para essa criança é a solução para seu desempenho na escola?

 

O investimento inicial foi de R$ 840 mil, com a aquisição de 3 mil tablets entregues (21/05/2013) aos professores do Ensino Médio. Cada tablet custou aos cofres públicos R$ 280, isso significa que o GDF investirá uma média de R$ 23.800 milhões na aquisição de 85 mil tablets – 2 mil para o restante dos professores e 83 mil para os alunos. Uma verba significativa para investir na construção e compra de equipamentos para as bibliotecas das escolas.

 

O GDF informa que outras ações foram realizadas pelo governo na área de educação, como o reajuste dado aos professores neste ano e a nomeação de 1.688 novos docentes. O governo triplicou os recursos destinados às unidades escolares do DF, chegando a R$100 milhões em 2013; ações que acompanham o crescimento populacional e o desenvolvimento social.

 

Há quem acredite que a compra de equipamentos para doações, consignando a responsabilidade, seja alavanca para solucionar problemas; mesmo sabendo da dificuldade de consignar equipamentos eletrônicos a 83 mil alunos. Tablets apresentam defeitos, quebram, necessitam de manutenção e com o passar do tempo substituição. Quem assumirá mais essas despesas e responsabilidades, o GDF? Pois a compra será um patrimônio público e deverá ser cuidada, como prestação de conta ao cidadão.

 

O avanço tecnológico não consegue substituir a escrita à mão e a leitura de livros, exercícios fundamentais para a formação do cidadão. Os tablets, computadores etc., são de extrema importância nas escolas, no entanto, devem ser disponibilizados em ambiente monitorado, exclusivamente para pesquisas e o ensino da matéria de informática.

 

Por Paulo Eduardo Dubiel
Fonte das informações: Secretaria de Comunicação do GDF